quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Donas do Mundo!


Gosto muito de cozinhar, e fico um bom tempo na cozinha descascando, pensando, fritando, elaborando o que fazer. E nesse tempo meus pensamentos vagueiam por tudo quanto é assunto, do dia, da semana, da amanhã, tudo emaranhado.

E numa dessas, me pego pensando em algumas amigas. Nas mulheres. Umas mulheres tão fortes na minha opinião. E é assim que as vejo.

E hoje quero falar dessas amigas, que por acaso, têm filhos, um, uns. Elas se desdobram de uma tal forma que me julgo incapaz que poderia ser um tiquinho como elas são.

Kika, Peipe, Suzi, Thania, por hora, vou ficar com essas em minha fala. Mas tem tantas outras. E tem aquelas que têm filhos, mas sem a presença do marido, aquelas que são solteiras...

Essas meninas, e assim as nomeio, são meninas, companheiras, mães, mulheres, dona da casa, da família, professoras, amantes, Donas do Mundo!

A energia que essas mulheres possuem levanta uma pirâmide. Ultrapassa o infinito. Uma garra descomunal.

De onde vem tanta energia? Tanto propósito? Elas se cansam? Sim, claro! Mas cadê esse cansaço? Ta sempre escondido, camuflado num afago, numa palavra, num conselho, num gesto de amizade.
Essa força me inspira, me alimenta, me levanta.

Minhas amigas, minha admiração por vocês perpassa o tempo que nos vemos, nos encontramos, nos falamos, nos clicamos nesse mundo virtual.


Muita saúde e muita luz pra vocês e que seus arredores possam ver o quão maravilhosas vocês são, o quão merecedoras de amor e afeto devem receber.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Guimarães Rosa


Uai que acabo de vê o filme "Meus Dois Amores", i to teno uma vontadi di ler Guimarães Rosa, sô. (Grande Sertão, aí vamu nois) . 12/11/15.
I num é qui to gostano. 13/11



sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Infância


Onze Anos!!

Eu ajudava a pegar sorvetes no bar perto de casa, Bar do Seu Quiriu. Era eu mais umas quatro meninas, chegávamos com uma sacolinha. Uma conversava, a outra perguntava, uma outra distraia, e alguém abria a geladeira, e perguntava o preço, e coitado do Seu Quiriu... nem sabíamos o que era dinheiro. Íamos tomar sorvete ali perto mesmo, na Kizaemon Takeuti, Pirajussara; inocentes, querendo refrescar do calor, se aventurando na falta escolar.
E lá pelas tantas, na primavera, eram as rosas da vizinhança; haviam flores na redondeza; com sabor de aventura da infância.
O bar? Era do Seu Quiriu, virou Bar do Afonso, que tinha o chiclete adams; que virou o Fecha Nunca, e.. e agora, deve ser algo da esquina, da saudade da infância...



quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O Que Fazer?

Vamos fazer estrogonofe!!


Após matutar na frente do computador e fazer e refazer milhões de contas, e não chegar a nenhuma conclusão de como pagar as dívidas, o que fazer?
Vou pra cozinha.
Abrir a geladeira pra pensar.

Pronto, tudo resolvido, fazer a janta e me alimentar pra pensar melhor nas saídas!!

Sempre tem uma saída.

"O coração de quem nunca desistiu, é sempre jovem." Trecho do texto da peça, "Ensina-me a viver."
 da Glória Meneses.


Ta feito, e ficou demais!!!

domingo, 20 de setembro de 2015

Esse momento



Nem sei se o título seria esse "esse momento". Mas tenho ficado mais angustiada agora, com tanta violência.
E a violência que falo é de todas as formas. E a principal delas é o valor da vida.
Que se perdeu, ou, quem sabe, a um bom tempo não se sabe se tem.
O que te leva a matar o seu próximo? O seu filho? O seu Pai? A sua mãe?
O cara ou mina que bateu no seu carro? Ou a pessoa que discordou da sua opinião?
O matar está ebulindo e contagiando. Contagiando nas formas, na maneira de simplesmente tirar a vida do outro.
E está presente em todas as Zonas da cidade.
É bem verdade que algumas em algumas Zonas acontecem mais que em outras,
e ocultadas (Zona Sul). Essa morte é pior? Não sei qual delas é a pior.
Os assassinatos ou o banalmente matar o outro.
Mas o que sinto, é que matar é muito fácil. É o exercício do seu poder, da sua ira, de toda a sua raiva, naquele momento.
E minha angustia é pra essas mortes da família do companheiro, companheira, amigo, amiga; falo do cidadão comum; do trabalhador; do empresário;
do pobre; do endinheirado.
A conversa, a discussão, a troca de ideias, de opiniões alheias, ficou à mercê, parou.
A solução é imediatista.
Penso que de tudo isso falta o amor. Mas atrás desse amor está também o descaso com o próximo.
O mundo está girando mais rápido às 24 horas diárias.
Amor, amor, meu amigo, exercer o perdão, aceitar as desculpas.

Mais abraços, mais atenção, mais ouvir.

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

sábado, 27 de junho de 2015

E o Colorido Prefalece!



Internacional
Direitos LGBT
Suprema Corte dos EUA reconhece legalidade do casamento gay
por Redação — publicado 26/06/2015 12h09, última modificação 26/06/2015 13h13
Em decisão histórica, a Corte máxima dos Estados Unidos legalizou o casamento gay em todo o país e obriga estados com legislações contrárias à união de casais do mesmo sexo a aderir à nova lei
Mark Wislon/ Getty Images/ AFP
Ativista comemora a legalidade do casamento gay em frente ao prédio da Suprema Corte americana
Leia também
A Suprema Corte norte-americana legalizou nesta sexta-feira 26 o casamento gay em todos os estados do país, após duas décadas de discussão sobre o tema. A decisão foi celebrada por ativistas no lado de fora do tribunal.
Segundo a instância máxima da Justiça dos Estados Unidos, é inconstitucional uma lei federal que define o casamento como "a união entre um homem e uma mulher". Com isso, a legalidade do casamento gay é assegurada no país. Além disso, os juízes argumentaram que a proibição do casamento entre duas pessoas de mesmo sexo afronta a Quinta Emenda da Constituição, que estabelece que as pessoas são igualmente livres.

A decisão histórica obriga todos os estados que possuem leis proibindo o casamento gay a reconhecê-lo. Antes, o casamento entre pessoas do mesmo sexo era proibido em 14 estados norte-americanos. Na Suprema Corte, a lei foi aprovada por 5 votos a 4.
O presidente Barack Obama disse, em sua conta no Twitter, que a decisão da Corte "é um histórico passo à frente para o casamento entre iguais", com a hashtag "o amor vence". Em 2012, Obama mudou sua posição a respeito do tema. Antes favorável apenas à "união civil", Obama passou a defender o casamento gay.



http://www.cartacapital.com.br/internacional/suprema-corte-dos-eua-reconhece-legalidade-do-casamento-gay-2484.html

terça-feira, 3 de março de 2015

Novo Ano, 2015

Começo de ano, começa depois do carnaval.
É assim se você quiser.

Aqui ta passando, gostosinho.
Receitas, criações, degustações.

Arrumação. Faxina.
De dentro pra fora.

E a casa vai ficando limpa.

http://www.puntospacca.net/news/tips-saludables/